The gift of all those perfectly ordinary days

Às vezes esqueço-me de olhar para a minha mãe como alguém que não é somente minha mãe!
Também me esqueço, frequentemente, do que teve de abdicar e dos sacrifícios que fez para me criar, a mim a mais três filhos e das críticas que chegou a receber por nos dar iogurtes (Que luxo! Deve ser rica!!), das férias à Madeira que nunca chegou a fazer e da carta de condução que nunca tirou.
E esqueço-me também de lhe retribuir com amor e paciência por todas as vezes que a ignorei, resmunguei e lhe chamei nomes baixinho, tipo, " Que chata! Não me deixa fazer nada!", longe eu de pensar que se não fossem os limites que me impôs, provavelmente, seria uma libertina sem presente e sem futuro.

Maternidade...bem exposta neste vídeo, quase me levou às lágrimas, não porque sou mãe (ainda não!!) mas porque sou filha, filha da minha maravilhosa mãe! A D.Conceição :)

tags:
publicado por Joanatê às 14:53 | link do post | comentar